No dia 25 de agosto, o secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Gestão, José Celso Cardoso Jr., apresentou uma proposta inovadora para o preenchimento de cerca de 8.000 vagas no setor público. Trata-se do Concurso Nacional Unificado, uma iniciativa que busca harmonizar e padronizar os processos de seleção de candidatos em órgãos governamentais.

A ideia é realizar uma prova única, no mesmo dia, em 180 cidades espalhadas pelo Brasil, seguindo o modelo do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Isso possibilitará que os candidatos realizem a prova em diferentes lugares ou até mesmo em suas próprias cidades. A tabela abaixo mostra o número de municípios selecionados por região:

– Norte: 39 municípios
– Nordeste: 50 municípios
– Centro-Oeste: 18 municípios
– Sudeste: 49 municípios
– Sul: 23 municípios

É importante destacar que, como todos os órgãos realizarão a prova no mesmo dia, os candidatos terão que escolher com cuidado a carreira em que desejam atuar.

Em relação às vagas e áreas de atuação, a adesão dos ministérios ao Concurso Nacional Unificado é voluntária e foram autorizadas vagas nas seguintes áreas governamentais:

– Administração e Finanças Públicas: 580 vagas
– Setores Econômicos, Infraestrutura e Regulação: 1.015 vagas
– Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário: 1.040 vagas
– Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação: 1.194 vagas
– Políticas Sociais, Justiça e Saúde: 1.470 vagas
– Trabalho e Previdência: 940 vagas
– Dados, Tecnologia e Informação Pública: 895 vagas
– Nível Intermediário: 692 vagas
– Total: 7.826 vagas

O Concurso Nacional Unificado será organizado por uma Coordenação Geral composta por diversos órgãos, como o Ministério da Gestão e da Inovação, o INEP, o IPEA, a ENAP e a AGU. Além disso, as comissões setoriais de cada órgão também terão participação no processo.

A prova será dividida em dois momentos: o primeiro consistirá em provas objetivas com matriz comum a todos os candidatos, e o segundo abordará provas específicas e dissertativas de acordo com cada área de atuação.

O cronograma definido e divulgado pelo Governo Federal prevê que até 20 de setembro será publicado um ato normativo do Ministério da Gestão estabelecendo o comitê organizador. Até 29 de setembro, os ministérios devem aderir ao Concurso Nacional Unificado, e até 20 de dezembro será publicado o edital do concurso. A data indicativa para a realização da prova é 25 de fevereiro.

Os resultados gerais da primeira fase serão divulgados até o final de abril de 2024, e os cursos de formação terão início entre junho e julho do mesmo ano.

As vantagens do Concurso Nacional Unificado, de acordo com o governo, são a isonomia econômica, já que cada candidato pagará apenas uma inscrição; uma competição mais justa, democrática e inclusiva; um perfil aderente ao candidato; um novo modelo de seleção que permite uma transição periódica; um processo uniforme e com critérios de acesso claros; a racionalização de custos, processos e resultados; e a inscrição em um único bloco de áreas de atuação.

Para se preparar para a seleção nacional unificada, é recomendado começar estudando as matérias básicas comumente cobradas em concursos públicos, como Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico-Matemático, Matemática, Física, Geopolítica e Informática. É importante aproveitar essa oportunidade e iniciar os estudos o quanto antes.

Clique aqui para acessar um curso gratuito de preparação para o concurso.