Medida do antigo Auxílio Brasil será revisada devido aos altos juros

TON MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Maria Rita Serrano é a quarta mulher a presidir a Caixa Econômica Federal, sendo a segunda servidora de carreira a assumir a função Maria Rita Serrano é a quarta mulher a presidir a Caixa Econômica Federal, sendo a segunda servidora de carreira a assumir a função

Com a mudança de governo, a contratação de empréstimo consignado para usuários do Auxílio Brasil está suspensa. A nova presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Rita Serrano, afirmou em seu discurso de posse que a medida leva em conta a decisão do Ministério do Desenvolvimento Social de revisar o cadastro dos beneficiários e os juros altos cobrados nessa modalidade de crédito, que chegam a quase 3,5% ao mês.

Serrano também declarou que as taxas serão submetidas a revisão, pois especialistas temem o endividamento dos usuários do programa, que passará a se chamar Bolsa Família. Além disso, a nova presidente do banco descartou o perdão de dívidas em atraso para aqueles que pegaram o consignado do Auxílio Brasil, afirmando que essas pessoas serão transferidas para o programa Desenrola Brasil, que ainda está em fase de elaboração. Após as falas de Serrano, a Caixa informou que a contratação está suspensa a partir desta quinta e que a linha de crédito passará por uma revisão completa de parâmetros e critérios.

Em destaque: Maria Rita Serrano é a nova presidente da Caixa Econômica Federal

Consequências da medida

Em agosto, o ex-presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que permitia a contratação de empréstimos consignados por pessoas que são beneficiárias de programas de Transferência de Renda do governo, como o Auxílio Brasil e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Isso estabeleceu o limite de até 40% do valor recebido por meio do programa assistencial para pagar os empréstimos, e os beneficiários dos programas puderam autorizar a União a descontar dos repasses mensais os valores referentes ao pagamento de empréstimos e financiamentos.

A nova lei também elevou a margem de renda que pode ser usada para pagar empréstimos consignados por aposentados e pensionistas do Regime Geral da Previdência Social. Agora, o limite é de 45% dos benefícios, dos quais 35% devem ser usados para empréstimos, financiamentos a arrendamentos mercantis, 5% para operações de saques ou despesas contraídas por meio de cartão de crédito consignado e 5% para gastos com o chamado cartão de benefícios. Para trabalhadores com contratos da CLT, o teto passa a ser de 40%, sendo 35% para empréstimos, financiamentos a arrendamentos mercantis e 5% para amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito consignado ou à utilização com a finalidade de saque por meio de cartão de crédito consignado.

Fonte:

https://www.estadao.com.br/economia/medida-adotada-no-antigo-auxilio-brasil-sera-revisada-por-conta-dos-altos-juros-de-3-5-ao-mes,1359938