Ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Wellington Dias, revela ajustes planificados para Bolsa Família 2024.

Todo o processo para os ajustes no programa Bolsa Família 2024 serão discutidos no início do próximo ano, conforme anunciou o ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Wellington Dias. O programa atual oferece um suporte médio de R$688,97 por família, resultando em benefícios para aproximadamente 21,45 milhões de pessoas em todo o país. O Bolsa Família 2024 terá reajuste de 4% no valor total do benefício.

As discussões sobre o Bolsa Família 2024 estão movimentando o cenário político e social brasileiro. Visto que o valor atual está defasado e não atende às necessidades das famílias, as conversas estão gerando grande expectativa entre beneficiários e especialistas. Nesse sentido, o governo avalia um reajuste de 4% no Bolsa Família 2024, projetando uma potencial implementação a partir de março de 2024. Com isso, o valor mensal poderia subir para R$710,00. No entanto, o valor definitivo permanece incerto e dependente de variáveis como a inflação, o crescimento econômico e a disponibilidade de recursos orçamentários.

Os ajustes para o Bolsa Família são determinados por uma variedade de fatores, como ressalta o ministro do Desenvolvimento Social. Não somente a inflação e o crescimento econômico são levados em conta, mas também o preço dos alimentos e as políticas relacionadas ao salário mínimo. Em virtude dessa complexidade, é preciso agir com responsabilidade fiscal e o anúncio recente encoraja tais expectativas, principalmente devido ao compromisso do presidente Lula em priorizar as camadas mais pobres da população.

Em relação à composição, até que novos valores sejam definidos, o Governo Federal reitera que manterá a estrutura atual para o Bolsa Família, como segue:
Benefício de Renda de Cidadania (BRC): R$ 142 por pessoa da família
Benefício Complementar (BCO): Garante um pagamento mínimo de R$ 600 para todas as famílias beneficiadas
Benefício Extraordinário de Transição (BET): Pago até maio de 2025 para garantir que os beneficiários não recebam valores inferiores ao auxílio anterior
Benefício Primeira Infância (BPI): Haverá um aumento de R$ 150 por criança, de zero a sete anos incompletos
Benefício Variável Familiar (BVF): R$ 50 adicionais para gestantes e crianças/adolescentes de 7 a 18 anos incompletos
Benefício Variável Familiar Nutriz (BVN): R$ 50 pagos para cada membro da família com até sete meses incompletos

Ainda assim, é preciso lembrar que a participação no programa está sujeita ao cumprimento de compromissos nas áreas de saúde e educação. Os quesitos incluem acompanhamento pré-natal, calendário nacional de vacinação, avaliação nutricional de crianças menores de 7 anos e frequência escolar, entre outros. Em adição, as famílias devem manter atualizado o Cadastro Único, pelo menos uma vez a cada 24 meses.

Para mais informações acesse: https://www.youtube.com/watch?v=qsuYkYn9taU

Fonte: FDR – Economia, direitos sociais e finanças

Imagem: FDR